Panoramas da Cena Potiguar

Por Farofa Crítica
02/02/2021

 

Nos dias 16 e 23 de janeiro de 2021 o Farofa Crítica realizou o Panoramas da Cena Potiguar, um projeto de pesquisa que busca pontuar e discutir obras, artistas, grupos e eventos de Artes Cênicas mais significativos das duas primeiras décadas do século XXI (2000-2020).  Foram quatro debates com artistas potiguares mediados pelos críticos Heloísa Sousa e Diogo Spinelli, com os seguintes temas: Dança, Arte da Performance, Teatro Popular e Teatro Contemporâneo. Confira a seguir os convidados e as lives na íntegra:

 

Dança:

Alexandre Américo é Artista e Pesquisador da Dança com Licenciatura em Dança e Mestrado pelo PPGARC, ambas pela UFRN. Hoje é atuante na área da investigação em Arte Contemporânea, com enfoque em estruturas performativas e seus desdobramentos dramatúrgicos. Aluno Especial de Doutorado em Estudos da Mídia, UFRN e Diretor Artístico da Cia Gira Dança (Natal-RN).

Ana Claudia Albano é intérprete, criadora, professora em Dança, com mestrado em Artes Cênicas e doutorado em Educação, desenvolve desde 2010 um trabalho que integra dança e artes visuais nos seus estudos, preparações corporais, oficinas, aulas, processos de criação e espetáculos. Atualmente, é sócia do Espaço a3, onde realiza seu trabalho em parceria com o artista visual Daniel Torres e ministra a oficina permanente em dança contemporânea Um Lugar de Partida, tendo atuado também como educadora no Projeto ArteAção, do Espaço Cultural Casa da Ribeira, em Natal, entre os anos de 2009 a 2013, e como dançarina na Gaya Dança Contemporânea - UFRN, entre os anos 1990 a 2008.

 

Arte da Performance

Naara Martins é escrevivente, educadora e pesquisadora, onde desenvolve estudo nas áreas de performance, dança, teatro (atuação e dramaturgia). Pesquisa sobre negritude, africanidades, literaturas e produções artísticas negras, a partir da noção de sua autoria intitulada de Poéticas Pretas. É licenciada em Teatro pela UFRN e mestra em Artes Cênicas (PPGArC/UFRN).

Franco Fonseca é bicha potyguar, ator, performer e Arte Educador, graduado em teatro e mestre em Artes cênicas, investiga as interfaces da aids nas artes da cena desde 2015, refletindo sobre os processos criativos de artistas que vivem com hiv no Brasil.

 

 

Teatro Popular:

No teatro desde 2008, Romero Oliveira atua na Cia. Pão Doce (Mossoró/RN) como dramaturgo, músico, ator e técnico em sonorização. A Cia. Pão Doce, dedica sua pesquisa e produção no âmbito da cultura popular nordestina, visando preservar e difundir, a partir do teatro, manifestações como o cordel, o repente, o coco, a ciranda, o maracatu, o pastoril, caboclinhos, entre outras expressões.

Lourival Andrade é diretor da Trapiá Cia. Teatral e Trapiá Filmes. Professor do curso de História da UFRN, campus Caicó e do Programa de Pós-Graduação em História dos Sertões. Mestre em História Cultural (UFSC) com dissertação sobre circo-teatro. Doutor em História (UFPR) com tese sobre a milagreira cigana Sebinca Christo. Pós-doutor em História Social (UEL) com o trabalho “As religiões afro-brasileiras no Cordel”.

Junio Santos, O Palhaço Cus-cuz: brincante popular, atormentado, autor e eterno aprendiz. Um dos criadorxs do Movimento Popular Escambo Livre de Rua.

 

Teatro Contemporâneo

Pablo Vieira é performer, produtor cultural da cidade do Natal /RN. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – PPGArC/UFRN, seus trabalhos dialogam com teatro, performances e intervenções urbanas. É integrante da Sociedade T, grupo que fundou em 2013 e que pesquisa cena contemporânea e seus desdobramentos.

Alex Cordeiro é encenador, ator e professor de teatro. Mestre em poética de direção teatral pelo PPGArC/UFRN (2015). Configura seu campo de interesse temas como encenação, pedagogia do teatro e poéticas do teatro contemporâneo. Integra o Coletivo Artístico Atores à Deriva (Natal/RN).

 

 

Além disso, foram produzidos quatro textos – um sobre cada tema dos debates – e que compõem o primeiro número da Revista Farofa Crítica.

Este projeto é realizado com recursos da Lei Aldir Blanc Rio Grande do Norte. Fundação José Augusto, Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

 

Clique aqui para enviar seu comentário